São Paulo terá radar que multa por velocidade média

Entre os novos radares que a Prefeitura de São Paulo vai instalar até o início de 2014 estão equipamentos que vão permitir medir a velocidade média em um trecho de via.

Com isso, frear apenas ao passar no radar não vai adiantar. O motorista terá de permanecer abaixo do limite de velocidade na maioria do percurso ou poderá ser multado.

Dois aparelhos registrarão os momentos em que ele entra e sai do trecho fiscalizado e, a partir do tempo gasto, calculará a velocidade média.

A intenção é melhorar a segurança nas vias. Nos primeiros dois meses de 2013, 146 pessoas morreram em acidentes de trânsito na capital –32% a menos que no mesmo período do ano passado.

Como a regra ainda não é prevista no Código de Trânsito Brasileiro, a prefeitura prevê que o sistema funcione inicialmente para fins de estatística, mas os dados ajudarão no lobby que a cidade pretende fazer no Congresso para mudar a lei.

A licitação para a instalação dos novos equipamentos foi aberta quinta-feira e prevê ainda outras novidades.

O número de radares –fixos, móveis e lombadas eletrônicas– vai aumentar 14,5%, de 587 para 672.

A tecnologia dos equipamentos terá de permitir também o “radar dedo-duro”. Nesse sistema, o radar terá de “ler” as placas dos veículos e cruzar o dado com o cadastro do Detran (Departamento Estadual de Trânsito).

Quando houver irregularidade (falta de licenciamento ou carro envolvido em crime, por exemplo), a polícia será informada on-line e poderá agir, inclusive em blitze.

Esse sistema já funciona em rodovias estaduais paulistas e cidades do interior.

“É saudável, porque tira das ruas veículos com problemas. Mas a leitura ótica do número da placa gera várias confusões. A leitura errada acontece com frequência”, diz José Almeida Sobrinho, presidente do conselho deliberativo do Instituto Brasileiro de Ciências de Trânsito.

A licitação da gestão Fernando Haddad (PT) também prevê que os radares multem motos em alta velocidade e no corredor entre os carros.

Hoje, apenas os radares móveis têm essa capacidade.

Outra infração que a prefeitura quer coibir é a conversão proibida. Os equipamentos deverão também detectar invasão das faixas de ônibus e pedestres, avanço de sinal e infração do rodízio.

O consultor em engenharia de tráfego Horácio Augusto Figueira apoia os novos radares, que, em sua visão, darão eficiência à fiscalização. Ele defende, no entanto, que a cidade tenha mais radares.

EVANDRO SPINELLI
DE SÃO PAULO

FONTE: FOLHA DE S. PAULO – COTIDIANO

Leave A Comment